Home Marketing Digital 7 Dicas para Vencer a Crise

7 Dicas para Vencer a Crise

Compartilhe
Dicas-para-Vencer-a-Crise
Print Friendly, PDF & Email

7 dicas de como aproveitar o momento da crise para crescer

A situação do Brasil não está fácil. Nota de crédito rebaixada, moeda desvalorizada – e piorando a cada dia – inflação lá em cima… Há uma crise acontecendo, ainda que não seja tão grande quanto já se passou na história. Você pode senti-la no seu bolso, ou ao verificar o que sobra na sua conta no fim do mês, ao pagar todos os impostos aumentados e os produtos inflacionados sem os quais você não pode viver.

Pode ser que seja realmente uma crise. Independente do que iremos chamar esse “momento”, este artigo visa ajudar você a passar por ele da melhor maneira possível, talvez ainda aproveitando para ganhar mais. Anime-se. Não significa que só porque algumas pessoas estão indo à falência que você deve ir também. Sempre há uma oportunidade no meio do caos. Ou você acha que todo o mundo perdeu com a crise de 29, a crise de 2008, o choque do petróleo? As pessoas que colocaram a cabeça no lugar, souberam encontrar uma oportunidade. E você também pode! Desejo que este artigo ajude a te direcionar para essa oportunidade.

1 – Corte de gastos supérfluos

Será que você vai ter que cortar sua cerveja de sexta-feira ou o cafezinho no intervalo do trabalho? Bom, os economistas dizem que sim. É dinheiro que você deixa de gastar e passa a contabilizar além das moedinhas que têm sobrado pra você fazer sua poupança. De qualquer modo, são gastos a menos. E prazeres que você para de se permitir. Se você for fazer isso com toda a sua vida, você vai passar a semana a arroz e feijão requentados. A lógica do corte de gastos pode não funcionar muito bem. Ao invés de você pensar em maneiras de ganhar mais, você pensa em gastar menos e piora o seu bem-estar, com o mesmo salário. E imagino que não seja isso que você quer.

Não significa que você vai esbanjar. Também não é sensato, uma vez que você percebe que o momento não está fácil para muita gente. O seu futuro é importante – ainda que ficar pensando na velhice já seja um exagero – e não é conveniente que você gaste suas economias “vivendo plenamente” quando sabe que “viver plenamente” agora custa muito mais caro do que antes.

Mas aí você pensa em cortar gastos… Na sua cerveja de tantos anos… O seu café que te dá um up para espantar o sono e acabar bem o expediente. Você bebe uma água com gás no barzinho que vai com os seus amigos e encerra seus dias morrendo de sono. Mas conseguiu economizar 5 reais por dia do café e 30 reais das cervejas de sexta e conclui que está tão infeliz sem viver do jeito que acha certo, que o dinheiro que conseguiu economizar não vale a pena e que você nem mesmo o quer dentro de sua carteira. Por isso resolve torrar todo ele de uma vez, para suprir as pequenas regalias que você não permite ter mais.

Tenha certeza de uma coisa: você vai gastar tudo o que economizou e ainda mais.

Falo isso de um modo genérico. Mas se você acha que pode tranquilamente viver sem essas “coisinhas” que te fazem feliz, vá em frente! Dinheiro sobrando nunca é demais.

A questão deste caso não é financeira. É psicológica. Você coloca na cabeça que não pode comprar as coisas que deseja, que não tem condições. Surge uma ideia de escassez.

E isso penetra por todas as esferas de sua vida. Se você tem um negócio, como irá lidar com este tipo de mentalidade?

Pior ainda se você estiver iniciando um novo negócio. Não vai nem passar pela sua cabeça fazer bons investimentos se você se acostumar a resolver tudo fazendo cortes.

2 – Se optar por adotar a filosofia do “corte”, seja seletivo

Cuidado com o que julga irrelevante e supérfluo. Muitas pessoas resolvem cortar gastos em suas empresas e começam pelo marketing. Isso é um erro grave. É como se você resolvesse cortar sua voz, para economizá-la e resolvesse passar um tempo em silêncio. O marketing é um importante investimento, e não um gasto qualquer. Embora você possa cortar algumas campanhas que não estejam valendo a pena no momento. Mas cortar todas de uma vez não é recomendável.

Muitas pessoas que o fazem, depois reclamam do quanto a crise está pesada e as vendas caíram. E era para ser diferente?

Se você para de convidar seus clientes para ir até sua empresa – ou acessá-la – para comprar de você e de repente para, as pessoas pararão de procurar por você.

As vendas obviamente caem porque o cliente tem que achar você por acaso, ou depois de procurar muito, e as pessoas não tem tempo para isso hoje em dia! Compram de quem cruza o caminho delas, das empresas que estão circulando constantemente na mente delas.

Entendido isso, vamos falar sobre gastos “cortáveis”…

3 – Coisas realmente inúteis

Não tem receita mágica.  Para poupar, todo especialista recomenda o corte de gastos, não importa qual seja sua empresa. Até que ponto você deve levar isso a sério?

Até você perceber que pode reestruturar a sua empresa de forma benéfica. Ainda que ela ainda não passe de uma ideia. Reestruture a ideia. Organize de acordo com a realidade atual e analise quais são os gastos que convém cortar sem prejuízos graves. Não vai ser fácil, mas você vai sobreviver e vai conseguir aprender bastante lidando com uma situação adversa.

Cortes benéficos: gastos acumulados durante anos; prestações antigas de coisas que você esqueceu que comprou; financiamentos miúdos e eternos, aquisições que já não tem importância; assinaturas mensais de revistas que você não lê ou da TV a cabo que você não tem tempo para ver. O corte destes gastos não representa nenhuma diferença na sua vida, mas representa no seu bolso! E muito! São mil vezes mais caros do que os pequenos prazeres que você se permite ter. Faça uma faxina na fatura do seu cartão! A diferença deste tipo de corte é que você não se sentirá menos feliz. Na verdade, só se dará conta que o fez pelo dinheiro a mais na sua conta! Não se trata de coisas importantes para você.

Será que você não pode substituir mensalidades caras por algumas ferramentas gratuitas para o seu negócio? Se você pesquisar bem na internet, pode encontrar muitas soluções gratuitas que têm a mesma função daquilo que você paga!

4 – Seu cliente em primeiro lugar, SEMPRE!

Você já pensou que da mesma forma que você pretende reduzir seus custos os seus clientes também pretendem fazer o mesmo? E que muitos deles também são empresários? Talvez a maioria deles? Talvez todos eles?

Proteja-os! E não os perca. Sua empresa depende deles.

Um cliente bem tratado e atendido com toda atenção que merece – afinal ele é responsável pela sua sobrevivência no mercado – pensará duas vezes antes de te trocar pelo seu concorrente. Portanto, não erre nesta parte. Trate-os sempre bem, com ou sem perspectiva de compra, antes da compra e também após a compra. Não seja mercenário (ou pelo menos não deixe que isso transpareça), mostre-se interessado no seu cliente sempre.

  1. Pare de ficar alarmado com qualquer notícia jogada na mídia!

Você já sabe o que precisa saber sobre o país. Não precisa saber de todas as oscilações da bolsa, das taxas de câmbio, das previsões para o futuro e dos barracos políticos. Não há necessidade. É importante ficar por dentro das notícias, mas não viver de acordo com elas. É mais válido você ler um livro, ver uma palestra na internet ou um bom filme do que ficar se remoendo com as loucuras da mídia.

6 – Tenha foco

Um empreendedor firme não se empolga com qualquer novidade e não sai apostando seu capital em qualquer coisa que parece ser lucrativa. O foco é importante para você estabelecer o que é essencial e o que pode ser mudado. Um empresário sem foco não tem credibilidade, nem dos seus clientes, nem da sua própria equipe e, se me arrisco a dizer, nem ele mesmo acredita muito nele, no fundo.

Quando seu negócio vai ficando sólido ou tomando uma forma definida, você precisa dizer não às opções que fariam com que ele perdesse a identidade ou os princípios fundamentais. Por isso você precisa focar naquilo que o torna o que é, e ponderar para acatar inovações.

  1. Decida agora sua atitude perante a crise

A sua atitude definirá boa parte das consequências pelas quais você irá passar. Se você decidir que vai ficar alarmado e que seu negócio sofrerá um sério golpe, prepare-se, pois isso vai mesmo acontecer!

Não adote esse pensamento: essa atitude de vítima e essa mentalidade de escassez. Lembre-se que enquanto você fica se lamentando, há empresas lucrando com a crise com atitudes que você poderia tomar no seu negócio. A diferença entre você e este tipo de empresário é que ele não pede tempo se desesperando, ele busca as oportunidades que uma cabeça fria e focada mostra.

Como se beneficiar de uma crise?

Simples. Pense em tudo que você acabou de ler, faça uma lista e tente seguir o máximo que puder aquele conselho que você julga ser o que você precisa. Certamente você já tem a habilidade necessária, mas você já cortou a assinatura daquela revista que ninguém lê? Já parou de pagar a academia que você nunca vai? Já colocou suas ideias em foco e eliminou possibilidades divergentes? Definiu o seu negócio? Já ligou para aquele cliente que você não vê há séculos? O que você está fazendo a respeito para se beneficiar da crise?

Tenha em conta: tudo o que você fizer de benéfico para seu negócio será um passo adiante dos erros dos seus concorrentes. É o seu ganho. Não deixe que tirem de você!

Deixe um comentário!

Deixe uma resposta